BLOG DO LOBO DA SELVA


18/03/2014


LONGEVIDADE

 

Estou ao seu dispor

Lendo nas entrelinhas

Vendo sexo de conchinha

Vendido ou vendado

Sem prezar muito cuidado

Com disponibilidade

Ao seu dispor.

 

Sou ímpio, impuro talvez,

Incompreendido ou mal falado

Nas rezas ou nos compassos

Da Esfinge derradeira

Do solo  encantado e que se move

No movimento do vento.

 

Quero transpor os vales do Nilo

Para pedir proteção a Anúbis

Na presença do Faraó Ramsés II

E brindar com Osíris

 

A poligamia e a longe(vida)(i)dade.

Escrito por Lourival Lopes às 17h31
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

15/03/2014


Lindo pôr do sol, na Fazenda Boa Fé. Um dos espetáculos mais fascinantes, a parte deste lugar. Eu ainda não tinha tido o privilégio de assistir a esse fenômeno de um lugar tão encantador como esse.

 

Escrito por Lourival Lopes às 09h54
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

Momento de encantamento com a natureza da Fazenda Boa Fé, no município de José de Freitas.

 

Escrito por Lourival Lopes às 09h50
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

Fazenda Boa Fé, tão antiga quanto bela. Guarda belezas naturais indescritíveis que fazem a nossa imaginação ditar longas estórias. Aqui, um pouco dessa beleza.

 

Escrito por Lourival Lopes às 09h47
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

Ontem, eu e o Marco Portela visitamos o Polo da Uespi, em José de Freitas, onde funciona a coordenação do PARFOR. Motivo: alguns professores de União farão a 1ª ou a 2ª graduação naquele Polo. Aproveitamos para visitar as futuras instalações do IFPI naquela cidade e a Câmara Municipal de José de Freitas, acompanhados pelo Presidente da casa, vereador Antonio da Costa Monteiro.

Escrito por Lourival Lopes às 08h21
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

14/03/2014


Estou preparando um novo livro, não tão novo assim. Os temas são os mesmos do anterior: Reflexões de Aprendiz. É uma espécie de continuação temática. Como não consigo escrever textos muito longos, os que estarão no livro são pequenas crônicas e pensamentos. O livro tem um título provisório: CRÔNICAS DE ESCOLA: lições de casa. Está em fase de diagramação. Mas ainda não sei quando publicarei, pois o custo é alto.

Escrito por Lourival Lopes às 08h02
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

13/03/2014


Dia 14 de março é o dia da poesia. Neste dia, nasceu o grande poeta Castro Alves, o poeta dos escravos. A CBJE (Câmara Brasileira de Jovens Escritores) presta uma grande homenagem ao autor de "Espumas Flutuantes", em mais uma antologia poética, comemorativa do dia da poesia.

 

                                              

Escrito por Lourival Lopes às 21h49
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

POST MORTEM

Os mortos deveriam voltar, nem que fosse por um momento, para contar suas experiência Post Mortem. Não é justo os vivos ficarem imaginando como seria a vida depois da morte, porque, neste caso, vira religião, privilégio de poucos. Eu imagino uma cena: uma explosão subterrânea em cada túmulo de onde saem diversas pessoas com roupas abarrotadas, ou nuas, conforme foram enterradas. Não enxergam nem ouvem, apenas gesticulam e mal conseguem articular as palavras, mas é possível, com muito esforço, entender o que falam. De repente, o mais forte sobe num tronco, quase apodrecido, de palmeira e, gesticulando muito, começa a falar:
- Morri numa sexta-feira treze, de mil trezentos e treze, final da Idade Média e até agora não me aconteceu nada. Não subi ao céu, nem desci ao inferno, apenas senti que minhas carnes apodrecidas foram se desmanchando, virando uma lama gosmenta ao se misturar com o barro. Depois não senti mais nada. Não alcancei a glória, nem encontrei o Grande Pai nem o aterrorizante Lúcifer. Então eu peço aos vivos que morram com calma, não tenham pressa, aproveitem o dia, não antecipem suas mortes, não se matem nem escutem falsas promessas, pois ninguém sabe o que virá. Nem os que já foram. Nada é nada, não vale nada. A única coisa que vale a pena é viver.
Nesse momento, uma implosão acontece em cada túmulo, sugando os corpos violentamente, como se fosse um ciclone, em forma de redemoinho, engolindo navios gigantescos.

Escrito por Lourival Lopes às 21h37
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

GANÂNCIA

Ganância é palavra portuguesa herdada do castelhano. Significa querer mais, ganhar mais, ter mais, sem medida. Sinto que há palavras que se aninham em nosso ser, como a palavra ganância, passando a fazer parte de nossa rotina, do nosso viver. Ganância é gêmea de ganhar, que, para ter um sentido concreto, tem que haver um vencido, um perdedor. Ou vários. Não dá para viver sem ganhar, sem gana de vencer, sem ganância. Ela se sobrepõe a amizades, a fraternidades, a religiões, a políticas, a tudo. É palavra humana, fincada na essência humana, impossível de ser arrancada, porque se atrela a outra palavra, igualmente arraigada no homem: poder. Impossível querer uma sociedade melhor, se não formos capazes de nos livrar da ganância e do poder. Interesses pessoais, como evitá-los?

Escrito por Lourival Lopes às 21h06
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

PALAVRÃO


De vez em quando me dá vontade de dizer um palavrão ou uma palavra pequena ou uma expressão de sentido bastante carregado. O nosso estimado papa Francisco, diante de inúmeros fieis, soltou a sua: "cazzo". Ele é poliglota, sabia o significado da palavra italiana que quer dizer: caralho, pinto, pau. Nada de mais. Mas o mundo cristão se encarregou de amenizar o surto papal. Mas faz parte da vida, é algo momentâneo, não leva nem ao céu nem ao inferno. A Nira, que tem síndrome de Down, quando alguém diz uma coisa que ela não gosta, transforma o "vai-te a puta que o pariu" em "Ourival, vai a cu pariu". São expressões mais defensivas do que agressivas. O mais interessante é que isso existe em todas as línguas. Imagine a cena: Jesus Cristo, furioso, contra os vendilhões do templo: - Respeitam a casa de Deus, bando de filhos de uma égua.

Escrito por Lourival Lopes às 21h05
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

MACACOS ME MORDAM!

Não sei se me envergonho ou se me indigno, mas os países europeus estão recomendando a seus cidadãos cuidados, principalmente, com amigos brasileiros, durante a copa do mundo. Para eles, o Brasil continua com a mesma imagem da época do descobrimento: os povos que habitavam a América eram todos selvagens. E a falta de segurança é um dos itens da pauta. Isso é verdade, mas imaginar que os brasileiros são violentos é muito genérico e superficial. Pior violência é a que jogadores de futebol negros sofrem na Europa, quando são chamados de macacos.

Escrito por Lourival Lopes às 21h04
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

IRRACIONALIDADE HUMANA

A racionalidade desperta no ser humano, algumas vezes, atitudes completamente irracionais. E os sentimentos e emoções são, em grande parte, responsáveis por tais atitudes. É por isso que somos limitados, regrados, normatizados, para que a racionalidade não se transforme em irracionalidade.

Escrito por Lourival Lopes às 21h03
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

25/08/2012


RODOVIÁRIA DOS POBRES

Fazemos e vivemos histórias todos os dias. Somos feitos de histórias. Os acontecimentos existem e nós somos personagens. Nós e as outras pessoas.

Ultimamente, tenho observado bastante as pessoas: como vivem, o que fazem para sobreviver, como se relacionam umas com as outras, o que dizem, o que pensam. Nessa observação, tenho assistido a muitas cenas interessantes. Uma delas aconteceu dentro de um ônibus intermunicipal, com lotação completa, na rodoviária dos pobres, em Teresina, na saída para a cidade de Demerval Lobão. A rodoviária dos pobres, na verdade, não é uma rodoviária, é um ponto de parada dos ônibus que fazem linha para o sul do estado do Piauí, onde existem várias casas improvisadas, com vendas de alimentos, de bebidas, de várias coisas que os passageiros necessitam para suportar uma longa viagem. É também onde ficam pequenas agências de viagem das empresas de ônibus.

Quando o ônibus para e abre a porta, inúmeros vendedores sobem para oferecer seus produtos aos passageiros.

- Milho assado, milho cozido, quem vai querer?

- Olha o espetinho, carne de porco, carne de gado, quem vai querer? Ei, moço, espetinho! – dirigiu-se a mim a vendedora.

- Laranja, maçã, quem vai querer?

- Água de coco, água mineral, refrigerante, Coca-Cola, guaraná, quem vai querer?

O ônibus fica sem espaço no corredor, tomado por esses pequenos vendedores que se espremem lisamente uns nos outros. O cheiro dos espetinhos misturado com o ar condicionado do veículo causa um mal-estar muito grande, que só desaparece quando o ônibus segue viagem.

Foi numa dessas viagens, que faço semanalmente, que observei o fato que me causou profunda reflexão. Costumamos julgar as pessoas pela aparência ou pelo que fazem. Foi isso que ocorreu com um rapaz sentado em cadeira paralela a minha. Chamou o vendedor de espetinho, que era um garoto de uns doze anos, e comprou um. Tirou do bolso uma cédula de vinte reais para pagar três reais, o valor do espetinho. O garoto pegou o dinheiro e disse:

- Não tenho troco, vou trocar lá embaixo e volto já. – Disse descendo do ônibus rapidamente, como quem quisesse sumir com o dinheiro.

O rapaz olhou para mim e, preocupado, disse:

- Perdi meus vinte reais. Esses meninos são malandros.

Demorou um pouco. O motorista já acelerava o ônibus para sair, quando o menino sobe correndo:

- Ei, moço, tá aqui seu troco. – Disse e desceu rapidamente.

O rapaz olhou para mim e comentou:

- Pensei que era um malandro. Julguei mal. O cara tá ajudando a família. É gente honesta, coisa rara hoje em dia.

Escrito por Lourival Lopes às 06h56
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

10/08/2012


VOCÊ É NADA

 

Você se acomoda, investe no (ostra)cismo

E a sua esperança imerge nas águas tranquilas

Da manhã, da tarde e da noite

Não há nada a fazer

Mas há muito o que reclamar

Porque do seu lado está a inércia

A inaptidão para despertar amanheceres,

Para contemplar entardeceres

E para vislumbrar anoiteceres

Você não vê nem o nascer nem o poer do sol

Nem vê a lua nos seus quartos cheia de encantos

Mas o pior é você não se vê

Refletido em nada. Você é nada.


Escrito por Lourival Lopes às 21h39
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

12/07/2012


ORAÇÃO

Meu Deus,

a força que vem de Ti me impulsiona para frente

e me projeta para a vida.

Me dá ânimo para encarar todos os meus problemas

e, ainda, me envolver com os de outras pessoas,

sem necessariamente tentar resolvê-los.

Ouvi-los já é suficiente para me solidarizar com elas.

Quando eu Te chamo de Meu Deus

é porque eu Te pertenço

e Tu me pertences,

sendo ambos parte inviolável do mesmo ser.

Sendo assim,

a Graça que encontro em Ti

é a mesma que encontro em mim.

O amor que sinto por Ti

é o mesmo que sinto por mim.

A fé que eu tenho em Ti

é a mesma que eu tenho em mim.

 

Não dá para separar o homem de seu Deus.

Escrito por Lourival Lopes às 21h57
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

Perfil

Meu perfil
BRASIL, Nordeste, UNIAO, BEIRA RIO, Homem, de 46 a 55 anos, Portuguese, French, Livros, Arte e cultura, ECOLOGIA

Histórico